A Arte de Escrever

Atualizado: 30 de jan. de 2020

PARA TRADUZIR OS TEXTOS de Schopenhauer, um poliglota e um estudioso da linguagem com uma visão muito crítica acerca do exercício da tradução, é preciso deixar de lado sua recomendação: “Escreva seus próprios livros dignos de serem traduzidos e deixe outras obras como elas são”. [1] Essa recomendação se baseia numa valorização do estudo das línguas, especialmente das línguas clássicas, o grego, o latim e também o sânscrito, que o autor considera muito superiores às línguas modernas. (Apenas o alemão poderia concorrer com elas, enquanto as outras principais línguas européias não passariam de dialetos.) De acordo com a concepção da linguagem exposta por Schopenhauer, “todas as traduções são necessariamente imperfeitas” [2] , pois as expressões características, marcantes e significativas de uma língua não podem ser transpostas para outra.



Por trás dessa crítica aos tradutores está a noção de que cada língua possui palavras específicas que expressam determinados conceitos com muito mais precisão do que todas as outras línguas. Assim, ao aprender uma língua, estaríamos ampliando e refinando nosso acervo de conceitos, da mesma maneira que, ao traduzi-la, muitas vezes substituiríamos as palavras exatas que expressam certo conceito por palavras apenas correspondentes, mas imprecisas. Essa maneira bastante polêmica de criticar o exercício da tradução é característica do estilo do autor nos cinco escritos que compõem esta coletânea. Todos eles foram retirados (e traduzidos!) do livro Parerga und Paralipomena, de 1851, cujo projeto pode ser esclarecido pelo subtítulo “Pensamentos isolados, todavia ordenados sistematicamente, sobre diversos assuntos”. Portanto, a própria obra original é uma espécie de coletânea dos escritos filosóficos curtos de Schopenhauer sobre temas variados. Alguns desses textos retomam questões importantes de sua filosofia, elaboradas anteriormente em O mundo como vontade e representação (1818) e em Sobre o fundamento da moral (1840), como, por exemplo, “Sobre a filosofia e seus métodos”, “Da ética” e “Da metafísica do belo e da estética”. Outros discutem assuntos mais prosaicos, como “Sobre o barulho e o ruído” ou o controverso “Sobre as mulheres”. Em todo caso, a organização sistemática mencionada no subtítulo se evidencia sobretudo quando o autor desenvolve em mais de um texto, sob aspectos diferentes, um mesmo assunto.


Os cinco escritos reunidos aqui, “Sobre a erudição e os eruditos”, “Pensar por si mesmo”, “Sobre a escrita e o estilo”, “Sobre a leitura e os livros” e “Sobre a linguagem e as palavras” foram publicados em seqüência no Parerga e Paralipomena e apresentam um tema em comum: a literatura. As considerações a respeito de diversos assuntos feitas nos textos giram em torno desse eixo, desenvolvendo uma argumentação que visa sobretudo identificar a decadência da literatura, criticar os escritores da época do autor, sobretudo na Alemanha, e defender um outro tipo de produção literária que possa ser contraposto ao então vigente.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo